Notícias

Por que cachorros de raças menores são mais bravos?

Esta pergunta chegou à Super formulada como “Por que o cão escolheu o pinscher como sua sucursal na Terra?” O que diz muito sobre a fama do cãozinho alemão.

Mas a realidade é que, embora raças pequenas sejam comprovadamente mais agressivas que a média – vide este estudo, por exemplo –, não há nenhuma evidência de que esse traço seja determinado geneticamente. Tem tudo a ver com a criação do bicho e a maneira como ele vê o mundo do alto de seus 25 cm.

Primeiro, é importante lembrar que as diferentes raças de cachorro são obra da seleção artificial de certos traços de personalidade e aparência. Cada cão de pequeno porte chegou à forma atual por um caminho diferente, por humanos com intenções diferentes.

Assim, é improvável que raças diferentes compartilhem um traço de origem genética só por terem o mesmo tamanho. Há muitas outras variáveis em jogo.

Um motivo por trás da fúria é que os humanos são invasivos no trato com bichos pequenos. Ninguém passa a mão num pitbull com a mesma convicção com que agarra um chihuahua.

Outra explicação é que nós adestramos cães grandes e buscamos ajuda quando são agressivos. Mas não há estímulo para educar um pinscher. Pelo contrário, tendemos a tratá-lo como um bebê. Mimado, ele pira quando se sente vulnerável (veja: estamos falando de uma raça descrita pelo American Kennel Club como “cão de guarda”).

Em geral, cães de qualquer porte expostos a interações sociais nos primeiros quatro meses crescem mais confiantes e menos agressivos. Ou seja: não seja superprotetor com cachorros pequenos. Ao impedi-los de interagir e criar laços, você pode acabar criando um bichinho mais arisco – e assim o clichê se torna realidade.

Superinteressante consultou: Lígia Issberner Panachão, médica veterinária e fundadora do Pet no Divã.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo